CARLOS TENDINHA MARTINS --- ANGOLA-Antes e Depois do Adeus

Produto n.º: CMANDALA9
Preço normal: 17,90 €
Preço (sem IVA): 15,19 €
Preço (com IVA): 16,11 €
Desconto: 1,79 € (10%)
Disponibilidade: Em stock
  • Fabricante: Projecto Apeiron-Apeiron edições
  • Fabricante - Catálogo n.º: 49/16
  • Peso: 485g

 

disponível em eBook:  8,50€ 

enviar mail para apeiron.edicoes@gmail.com

Apoio:

EDGIC Fine Art, Luxury & Media Corporation

www.angola.edgic.eu

 

AUTOR: Carlos Tendinha Martins

BIOGRAFIA: Carlos Tendinha Martins nasceu em Moçâmedes em 1928, onde também nasceu sua mãe, assim como toda a família Tendinha. Pertence a uma segunda geração, nascida em Angola, no distrito de Moçâmedes.

Iniciou os seus estudos em Moçâmedes, acabando o 5° ano na Escola de Pesca de Moçâmedes, cognominada ESCOLA BARÃO DE MOÇÂMEDES. Estudou na escola Comercial e Industrial de Pesca, onde se leccionavam todas as disciplinas básicas, incluindo o Inglês e o Francês.

Em 1944 vai para Porto Alexandre, onde seu pai explorava uma indústria que tinha como suporte diversas artes de pesca para captura de pescado. Aí foi integrado no sentido de tomar os conhecimentos necessários sobre como funcionavam as capturas das referidas artes e a condução do pescado para a transformação na fábrica de conservas enlatadas.

Em 1952, devido ao seu estado de saúde apanha um avião “Dakota” para Lisboa e um ano depois regressa recuperado a Moçâmedes.

Entretanto, seu pai já tinha iniciado uma nova indústria no deserto do Namibe: a exploração de peles de karakul. Após a sua chegada de Lisboa, assume a responsabilidade dessa exploração.

Após o 25 de Abril de 1974 foi forçado a abandonar Angola e vir para Portugal.

         

EAN: 9789898447616 *  334 págs.

CARACTERÍSTICAS:  153 X 230  |  Jan./Fev. 2016  | encadernação capa mole c/ badana

SINOPSE:  Nasceu em Moçâmedes, cidade fundada a 4 de Agosto de 1849 que manteve o nome durante 126 anos. Após a independência, em 1975, passou a chamar-se Namibe, correspondendo ao deserto mais pequeno do mundo.

Muito cedo começou a conhecer o pequeno deserto. Tornou-se num apaixonado de tanto fascínio, rendeu-se a tantos e tão maravilhosos encantos no deserto ardente do Namibe. Na ansiedade de conhecê-lo de Norte a Sul e de Este a Oeste, nunca se deu conta dos sacrifícios que o esperavam, mas foi todo esse sacrifício que o encheu de forças para ver, viver, conhecer terras e suas etnias.

Assim, não podia deixar de partilhar com os seus compatrícios e amigos, que ainda tem na Província do Namibe, a felicidade que sente em poder passar para um livro o quanto contribuiu, também, para fazer da Província do Namibe uma terra em que todos possam viver com saúde e em PAZ DE DEUS.